quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Compromissos pela Paz


Respeitar a vida e a dignidade de cada pessoa, sem discriminação ou preconceito.

Rejeitar a violência: praticar a não-violência ativa, rejeitando a violência sob todas as suas formas: física, sexual, psicológica, econômica e social, em particular contra os grupos mais desfavorecidos e vulneráveis como as crianças, os adolescentes e os idosos.

Ser generoso: compartilhar o tempo e os recursos materiais em um espírito de  generosidade visando ao fim da exclusão, da injustiça e da opressão política e econômica.

Ouvir para compreender: defender a liberdade de expressão e a diversidade cultural, dando sempre preferência ao diálogo e à escuta do que ao fanatismo, a difamação e a rejeição do outro.

Preservar o planeta: promover um comportamento de consumo que seja responsável e práticas de desenvolvimento que respeitem todas as formas de vida e preservem o equilíbrio da natureza no planeta.

Redescobrir a solidariedade: contribuir para o desenvolvimento da comunidade, com a ampla participação da mulher e o respeito pelos princípios democráticos, de modo a construir novas formas de solidariedade.



(Manifesto 2000, construído no Fórum do Milênio, realizado em Nova York, quando a ONU convocou representantes de todos os seus Estados-membros para discutir formar de promover o bem-estar da humanidade)




terça-feira, 27 de setembro de 2011

PROERD


Em Sarzedo, o PROERD (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência), desenvolvido pelo 48º Batalhão da Polícia Militar é agente atuante na promoção da Cultura da Paz.


O programa da Polícia Militar tem como base o Projeto D.A.R.E. (Drug Abuse Resistance Education), implantado em 1983, em Los Angeles/EUA e que, atualmente, está presente em mais de 58 países.

 



O programa é apresentado no site da Polícia Militar:


"O PROERD é desenvolvido em parceria com as escolas das redes estadual, municipal e particular de ensino, consistindo na aplicação de 10 lições às crianças e adolescentes que estejam cursando, respectivamente, as 4ª e 6ª séries do Ensino Fundamental, em encontros semanais, ao longo de um semestre letivo.
As aulas são ministradas por policiais militares fardados, que orientados por um livro especial, ensinam as crianças como reforçar a autoestima, lidar com as tensões, resistir às pressões do ambiente, além de aprimorar o espírito de cidadania.
Ao final do Programa, é realizada uma solenidade de formatura, com as presenças dos pais, professores e representantes da comunidade, oportunidade em que os alunos recebem um certificado de participação e se comprometem a ficar longe das drogas e da violência."
(https://www.policiamilitar.mg.gov.br/portal-pm/9bpm/conteudo.action?conteudo=325&tipoConteudo=itemMenu)




A formatura da turma de alunos de 2011 de Sarzedo foi noticiada no site do Cidade News:


O 48º Batalhão de Polícia Militar e a Prefeitura Municipal de Sarzedo promoveram no dia 06 de Agosto de 2011 a entrega do certificado do PROERD (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência) para 574 alunos da rede municipal de ensino de Sarzedo.

O curso, ministrado pelo Cb PM Mota, propiciou às crianças maiores condições para dizerem NÃO ÀS DROGAS, além de prepará-las para lidar com as tensões do dia a dia e aprimorar os valores morais, éticos e sociais.

Estiveram presentes no evento o Cmt do 48º BPM Sr. Maj PM Agostinho Dias Lacerda, o Prefeito Municipal Sr. Marcelo Pinheiro, o Vice Prefeito Sr Werther Resende, o Presidente da Câmara Municipal de Vereadores Sr. Rodrigo Ferrete, a Secretária Municipal de Educação Sr.ª Eliane Barbosa, O Cmt do 3º Pel/214ª Cia Sr Ten PM Hudson, a Assessora de Comunicação do 48º BPM Srª. Ten PM Marianna, o Coordenador do Proerd na área do 48 BPM Sr. Ten PM Dirceu, a Presidente do Conselho Tutelar Srª Cláudia Bernardo da Silva, além de diretores e professores das escolas envolvidas, alunos, pais e policiais militares do 48º BPM.

Alguns parceiros do PROERD no município, entre eles, o Prefeito Municipal, a secretária Municipal de Educação, o Superintendente da ITAMINAS S/A e as servidoras do NAPSI foram homenageados pelo Cmt do 48º com o título de Colaboradores Beneméritos pelo apoio ao PROERD na cidade de Sarzedo.

Houve ainda apresentação dos adolescentes que participam do programa Policia e Juventude que fizeram uma belíssima apresentação ao público presente, apresentação de balet pelos alunos das escolas, a premiação da melhor redação do PROERD 2011, vencido pela aluna Tauany Aparecida de Resende da Escola M. Eva Fernandes Caldeira. Tivemos ainda a premiação das turmas nota 10: 03 turmas da Escola M. Antônio Pinheiro Diniz e 01 turma da Escola M. José Batista Filho, tivemos também as presenças do PM Amigo Legal e do Dare, mascote do Proerd.”(http://www.cidadenewsmg.com.br/noticia2.html)







Sugestão de leitura


O link abaixo dá acesso a uma tese desenvolvida por Cláudio Marques da Silva Neto para obtenção do título de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Educação pela Faculdade de Educação da USP neste ano de 2011, sob o título: (In)disciplina e violência no espaço escolar: aprendizagem e participação como fundamentos da ordem.


O estudo analisou as formas pelas quais uma das escolas públicas de São Paulo lida com a violência e a indisciplina dos alunos, bem como os impactos destes em toda a comunidade escolar. Procurou compreender em que medida a forma de organização escolar e práticas institucionais interferem na aprendizagem e se as mesmas intensificam ou amenizam os casos de violência e indisciplina na escola. O estudo apontou que a escola em questão, através da condução compartilhada das ações pedagógicas e da participação democrática da comunidade escolar conseguiu, sem precisar utilizar medidas disciplinadoras, reverter um quadro de indisciplina e violência, bem como assegurar a aprendizagem de todos os alunos. As palavras-chaves da pesquisa são cultura de paz, direito à educação, indisciplina e violência escolar.



segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Promoção da Cultura de Paz


Seguem abaixo, links com materiais muito interessantes, que apresentam teorias e práticas sobre a promoção da cultura de Paz.





1-  Cultura de Paz: da ação à reflexão. Balanço da década internacional da promoção da cultura de Paz e não violência em benefício das crianças do mundo. Material produzido pela UNESCO, publicado em novembro de 2010.




disponível em:










2 -  Vamos ubuntar? Um convite para cultivar a Paz. Material desenvolvido por Lia Diskin, da Coleção Abrindo Espaços – Educação e Cultura para a Paz, publicado em dezembro de 2008.






disponível em:






domingo, 18 de setembro de 2011

Luft: Ratenur



Ternura é acolher;
saber escutar na sutileza de um olhar;
oferecer calor;
respeitar...

Ternura é um toque suave;
é doçura de um bem querer;
é afeto que toca pra frente;
aconchego que amacia o doer.






“Muitas vezes basta ser

colo que acolhe,

braço que envolve,

palavra que conforta,

silêncio que respeita,

alegria que contagia,

lágrima que corre,

olhar que sacia,

amor que promove.” (Cora Coralina)


sábado, 17 de setembro de 2011

Cada educador é uma semente no Programa de Prevenção ao Bullying na Escola


Por que para a construção de uma Cultura da Paz é importante que todos desenvolvam uma ação no Programa de Prevenção ao Bullying na Escola?



Por que, quando cada um de nós, em nossa rotina diária, faz dos direitos humanos parte de seus discursos, foco de suas ações, torna-se um semeador de valores em prol de uma Cultura da Paz.



Muitos argumentam não ter tempo para elaborar uma atividade que referencie melhores relações humanas e adequá-la ao seu programa didático. Entretanto, esse tempo a mais, que muitos justificam, ele não é, na verdade, um tempo a mais... ele é o tempo que já há... A temática da Paz ela faz parte do dia-a-dia, pode ser adequada a todos os conteúdos, a todos os momentos em que as pessoas relacionam. A Paz se constrói por uma ética, uma forma de olhar fundamentada no respeito, no amor ao próximo e na busca pelo que nos torna melhor e proporciona aos outros melhorias... A Paz não é ausência de conflitos: é uma forma diferente de olhar para os conflitos e buscar crescimento - pessoal, espiritual etc - a partir deles. A Paz cabe em todos os contextos, em todos os ambientes, mas temos que ir até ela, temos que colocá-la em nosso olhar sobre o mundo.



Para reflorestarmos o mundo de Paz serão necessárias muitas sementes e, se cada um de nós cuidarmos de nossa árvore, estaremos fazendo a nossa parte... O importante é fazermos parte, não perdermos a fé, acreditarmos em sonhos, não nos resignarmos jamais com a violência e darmos passos sempre na construção de uma rede de sonhadores da Paz...





Ações educativas para a Paz




Achei, na internet, um material muito interessante. É um caderno com 75 páginas, intitulado MARCHA MUNDIAL PELA PAZ E NÃO-VIOLÊNCIA - AÇÕES EDUCATIVAS: Sugestões de Atividades para Aplicar nas Escolas.



Há sugestões de atividades para trabalhar com a Educação Inicial, Ensino Fundamental, Colegial, Educação para Adultos. O último capítulo apresenta sugestões de atividades a serem desenvolvidas com as famílias.



Vale a pena conferir o material, disponível no link abaixo:





quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Cantinho do aconchego


Segue abaixo uma proposta de atividade para estimular o diálogo e o convívio afetivo em sala de aula. A atividade tem como diretrizes o cumprimento ao outro, a expressão: “como você está se sentindo agora?” e o tempo para “olhar nos olhos” e escutar...



Convido a todos a analisar a atividade, criticá-la, aperfeiçoá-la, enfim, construí-la conjuntamente, para que possa ser um instrumento a mais na busca da melhoria das relações afetivas de nossos escolares...





Cantinho do aconchego





O que é:



O Cantinho do aconchego é um espaço para o diálogo, conduzido pelo(a) educador(a) com os alunos da classe, ao início do turno letivo.



Aconchego significa abrigo, amparo, proteção. Deriva do verbo aconchegar que quer dizer aproximar, unir, agasalhar.



Aconchegante é o que conforta, acolhe agradavelmente, faz com que a gente se sinta “à vontade”, bem recebido, aceito, que “agasalha” a alma e deixa nossos corações aquecidos...



A proposta é de se criar um espaço aconchegante em sala de aula, no qual, antes de iniciar o turno letivo, o(a) educador(a) convidasse seus alunos a se reunirem. Pode ser um tapete emborrachado, colocado em um dos cantos da sala, onde todos pudessem se sentar, em círculo, confortavelmente.





Objetivos:



  • criar o hábito de perceber o estado afetivo, diário, de cada criança da classe;
  • estimular o diálogo como meio de manifestação afetiva;
  • favorecer a expressão dos sentimentos;
  • permitir ao(a) educador(a) a percepção de questões afetivas relacionadas aos seus alunos;
  • trabalhar a empatia, a percepção dos sentimentos que nos acometem e acometem aos outros;
  • fortalecer os vínculos afetivos entre os alunos.
 



Materiais:



- Painel dos sentimentos: No cantinho do aconchego, haveria um painel dependurado na parede, onde estariam escritos os nomes de todos os alunos da sala. Acima do nome do aluno, um velcro. Abaixo no painel um bolsinho para cada feição representante de um sentimento (como no esquema abaixo).




Esquema inicial do painel dos sentimentos:





- Rostinhos com sentimentos: dentro do bolsinho de cada feição deve haver o número de rostinhos daquela expressão de sentimento na mesma quantidade do número de alunos da classe.





Tempo: aproximadamente, 15 minutos, em todo início de um turno de aula, por todos os dias letivos.





Desenvolvimento:



Ao iniciar o período letivo, o(a) educador(a) deve cumprimentar cada criança e pedir a cada uma que represente como está se sentindo naquele momento no painel dos sentimentos.




A criança deverá pegar a fichinha com o rostinho que representa como ela está se sentindo naquele momento e grudar a figura no velcro acima de seu nome.


Deve-se perguntar a criança porque escolheu aquele rostinho, como ela está se sentindo e por quê.

Deve-se respeitar a vontade da criança em manifestar-se ou não.

Deve-se reforçar positivamente a expressão dos sentimentos, marcando para todo o grupo a importância de ouvirmos com respeito, como cada um fala de seus sentimentos.

Deve-se, também, tratar com respeito, tolerância e compreensão a criança que não conseguir ou não quiser manifestar-se naquele momento, colocando para ela que tudo bem ela não querer se representar naquele momento e se, em algum momento, no decorrer da aula ela quiser vir se representar de outra forma no painel, o mesmo poderá ser feito.

As crianças que se representarem com sentimentos negativos são também convidadas a falar sobre os motivos que estão se sentido assim.

Deve-se deixar claro para criança que não precisa falar se não quiser ou se preferir depois conversar com alguém em particular é só solicitar para a professora (seria interessante se nas escolas houvesse o plantão psicológico).

Deve-se marcar para as crianças que se representaram de forma negativa que, se ao longo do dia, elas não mais estiverem se sentindo daquela maneira, elas podem vir, a qualquer momento durante a aula, mudar a representação de como estão se sentindo no painel.


 



Esquema do painel de sentimentos ao finalizar a dinâmica:







Observações:

Muitas vezes, durante a condução das aulas, o(a) professor(a) não percebe quando um de seus alunos não está emocionalmente bem, porque não houve um espaço para que a criança pudesse se expressar com confiança que seus sentimentos serão acolhidos com respeito e sem julgamentos pejorativos. Às vezes, por falta dessa comunicação, os alunos com sofrimento emocional podem envolver-se em situações conflitivas dentro da escola e gerar do grupo tanto de alunos quanto professores respostas negativas, que acabam por prejudicar, ainda mais, o seu quadro afetivo.

O que esse programa propõe é isso: de criar em cada classe escolar no momento de abertura da aula, o tempo de escuta de cada um, conduzido pelo educador de forma ética com o grupo de alunos.


Esse espaço para escuta diária pode oferecer ao educador uma visão da dinâmica emocional de seus alunos e aos alunos a possibilidade de fortalecer seus vínculos afetivos, de obter uma relação mais espontânea com seus afetos bem como dos afetos dos outros.

Essa atividade poderá, também, apontar em algumas crianças da sala questões mais conflitivas no campo afetivo. Deve-se, nesses casos, entrar em contato com os responsáveis pela criança, bem como orientá-los a buscar ajuda psicológica.


Comentário:

Crianças mais tímidas tendem a ter dificuldades de manifestar seus sentimentos diante dos outros e à medida em que sentem maior confiança no grupo passam a expressar-se com mais desenvoltura. Para que essa confiança se estabeleça, é preciso que as manifestações dos sentimentos de cada participante do grupo sejam recebidas de forma positiva por todos da classe.


quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Notícias sobre o Concurso Semeando a Paz

Para adequação de que o voo da viagem premiada aos primeiros lugares de cada categoria do concurso seja realizado no período diurno, a agente de viagens da CVC requereu a alteração da data do passeio.

Dessa forma, ficou ajustado que o período programado para a viagem será na semana de 17/12/2011 a 24/11/2011, saindo do aeroporto de Confins, no voo da Tam, às 10h25 do dia 17/12 e retornando a Belo Horizonte no dia 24/12 às 13h05 (saindo de Porto Seguro às 10h55 no voo da Tam).

Esperamos que os educadores voltem do passeio relaxados e com ótimas lembranças para celebrarem o Natal junto a seus familiares.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Como elaborar uma dinâmica de grupo

A dinâmica de grupo é uma técnica que significa propor a um grupo de pessoas uma situação simulada, através de brincadeiras, jogos, exercícios, proporcionando sensações da vida real. A proposta é que os integrantes do grupo possam agir com autenticidade, refletir sobre a sua participação, buscando o aperfeiçoamento de sua conduta.



Uma dinâmica de grupo deve ter objetivos definidos, em busca de resultados almejados.  Ao se propor uma atividade, um jogo, uma brincadeira, deve-se estabelecer quais resultados esperam-se encontrar. Há, portanto, uma etapa de planejamento da atividade (com resultados almejados), de desenvolvimento (com a execução da ação) e de conclusão (fechamento da dinâmica, onde, no caso, das dinâmicas voltadas para a significação dos valores humanos, deve ser oportunizado a cada integrante do grupo refletir sobre a sua participação).





Abaixo, segue a sugestão de um roteiro para elaboração de uma dinâmica de grupo:





- Título:





- Objetivos: (O que se espera alcançar com a atividade)





- Público-alvo: (crianças, adolescentes, familiares, funcionários da escola, professores etc)





- Número de participantes:





 - Material:





- Tempo:





- Procedimento: Descrever passo-a-passo a execução da atividade.





- Fechamento: Estabelecer os temas para reflexão sobre a atividade. Qual o diálogo que pretende conduzir com o grupo? Quais valores humanos a dinâmica enfoca? O fechamento tem como proposta clarear para os participantes do grupo o que se espera destacar para a reflexão com a atividade realizada, bem como a de sensibilizar cada integrante do grupo sobre a sua participação.





Referência bibliográfica:



Teoria e Prática de Dinâmica de Grupo – Jogos e Exercícios. Suely Gregori Andrade. Casa do Psicólogo.




Dinâmicas de grupo para a Paz - links:





Mais mensagens sobre a Paz...

Eles versaram sobre a Paz:



“Se eu pudesse deixar algum presente a você,  deixaria acesso o sentimento de amor à vida dos seres humanos. A consciência de aprender tudo o que foi ensinado pelo tempo afora. Lembraria os erros que foram cometidos para que não mais se repetissem. A capacidade de escolher novos rumos. Deixaria para você, se pudesse, o respeito àquilo que é indispensável: além do pão, o trabalho. Além do trabalho, a ação. E quando tudo mais faltasse, um segredo: o de buscar no interior de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída.” (Mahatma Gandhi)




***



“Escola é...

o lugar onde se faz amigos.

Não se trata só de prédios, salas, quadros,

programas, horários, conceitos...

Escola é, sobretudo, gente,

gente que trabalha, que estuda,

que se alegra, se conhece, se estima.

O diretor é gente. O coordenador é gente.

O professor é gente. O aluno é gente.

Cada funcionário é gente.

E a escola será cada vez melhor

na medida em que cada um

se compromete como colega, amigo, irmão.

Nada de ilha cercada de gente por todos os lados.

Nada de conviver com as pessoas e depois descobrir

que não tem amizade a ninguém.

Nada de ser como o tijolo que forma a parede,

indiferente, frio, só.

Importante na escola não é só estudar,

não é só trabalhar, é também criar laços de amizade,

é criar ambiente de camaradagem, é conviver,

é se amarrar nela!

Ora, é lógico...

numa escola assim vai ser fácil estudar,

trabalhar, crescer, fazer amigos, educar-se,

Ser Feliz!” (Paulo Freire)



***




“A escola só dá certo quando o aluno aprende e é feliz”. (Bernardo Toro)

Sugestão de leitura

Escola de valor -   Significando a vida e a arte de educar.



Um guia para refletir sobre os valores humanos e suas implicações na prática educativa, a fim de fundar um espaço escolar mais ético e propício ao exercício da cidadania.





Autora: Maria Helena Marques Rovere

Editora: Paulus
 


Sinopse:



“Escola de valor – Significando a vida e a arte de educar propõe uma reflexão acerca dos valores humanos, ou seja, da ética, do respeito, do amor, entre outros, e suas implicações práticas na educação. A obra é dividida em duas partes: Introdução e Caminhos para uma escola de valor. Na primeira há uma preocupação em sensibilizar os educadores sobre a necessidade e a urgência de uma educação fundamentada em valores humanos.

Na segunda, a autora fala sobre a vida como um valor a ser cuidado; esclarece sobre os valores que regem as escolhas e decisões das pessoas e, por fim, propõe um despertar do educador para o sentido da ética e da cidadania no cotidiano.

O livro traz também textos de apoio de grandes escritores, sugestões de exercícios e dinâmicas para o professor realizar em sala de aula ou em alguma atividade educativa. Como afirma a autora, o livro não pretende transformar a educação, mas sim despertar em cada educador o seu potencial transformador da realidade.”

(http://www.escoladevalor.com.br/publicacoes/escola_de_valor.php)





Comentário:



Um livro muito gostoso de ler. Como um mosaico, apresenta metáforas, textos para reflexão, atividades focando o trabalho com valores humanos, pensamentos de diversos autores sobre o tema. Partindo do ideal “por um mundo melhor” e do desejo de que o “material contribua para a construção de um mundo mais humanizado”,  a autora faz uma importante reflexão sobre a responsabilidade de cada um na construção de uma Cultura da Paz e do papel da educação para que essa sociedade mais saudável, mais pacífica e mais feliz possa um dia existir.

sábado, 10 de setembro de 2011

Concurso Semeando a Paz: mais orientações

Sites com modelos que poderão ajudá-los a elaborar o material escrito para inscrição no Concurso Semeando a Paz.



Lembrem-se, conforme está no edital, o material escrito deverá conter os seguintes tópicos (dentre outros, caso o educador ache interessante acrescentar):

- Título

- Apresentação

- Objetivos

- Público-alvo

- Desenvolvimento do Projeto

- Resultados alcançados

- Conclusão



Sites:












Manifestações pela Paz são importantes. Por quê?

Manifestações populares são manifestos organizados por um grupo de pessoas, que visam mobilizar a atenção para um tema, despertar a reflexão dos valores que permeiam em torno do assunto, promover ações, ressignificar* valores. Enfim, é um importante instrumento de propagação de valores, modificação de tradições, de formação e solidificação de uma nova cultura.


Por isso, na vertente de uma construção da Cultura da Paz, as manifestações - tais como os movimentos pela Paz, as passeatas anti-bullying  - são muito importantes para o despertar do olhar social e a construção de  ações de ressignificação e mudanças de atitudes.
 
Nos links abaixo, notícias sobre manifestações que clamaram pela Paz.







http://www.riodepaz.org.br/home.html


http://www.fotoarena.com.br/busca/index/t/Manifesta%C3%A7%C3%A3o+contra+o+Bullying+nas+escolas+27-08-2011/?ide=6372


http://noticias.uol.com.br/educacao/2011/08/27/manifestacao-na-avenida-paulista-chama-atencao-contra-o-bullying-e-a-violencia-infantil.jhtm


http://bullynobullying.blogspot.com/2011/04/passeata-em-franca-contra-o-bullying.html


http://noticias.r7.com/vestibular-e-concursos/noticias/avenida-paulista-e-palco-de-manifestacoespela-educacao-e-contra-o-bullying-neste-sabado-20110827.html?question=0







* ressignificação:  processo de repensar um valor e modificá-lo atribuindo-lhe outro sentido, outro significado.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Conscientização anti-bullying é tema no desfile de 7 de setembro

No evento tradicional de comemoração ao Dia da Independência, no qual as escolas da rede municipal de Sarzedo desfilam e promovem a conscientização de importantes temas sociais, houve a preocupação em apresentar em um dos blocos da Escola Eva Fernandes Caldeira o tema do bullying, através da proposta: ESCOLA E FAMÍLIA UNIDAS CONTRA O BULLYING.






O bloco era apresentado com uma faixa, que tinha como dizeres umas das frases utilizadas no Programa de Prevenção ao Bullying nas escolas de Sarzedo: “DIGA NÃO AO BULLYING: TODOS TÊM O DIREITO DE TER BOAS LEMBRANÇAS DAS ESCOLAS”.







As crianças seguravam placas de proibição referentes aos comportamentos que não são aceitáveis dentro de uma escola.







Cartilhas “Bullying não é brincadeira: dicas para os pais” foram distribuídas para a população.







Grandes bonecos, representando a diversidade,  integravam o bloco.




A equipe do NAPSI também desfilou no evento apresentando as ações de nosso programa no município.







Fiquei tão feliz com a proposta de conscientização anti-bullying que me dividi entre desfilar junto com minha equipe e fotografar esse importante bloco que nos acompanhava.


domingo, 4 de setembro de 2011

Emoção no programa de prevenção ao bullying na escola

No programa de prevenção ao bullying na escola são muito úteis as atividades que permitam aos alunos exercitar a expressão de seus sentimentos; possibilitem identificar e nomear emoções e sensações; perceber os seus próprios sentimentos e os dos outros; que estimulem aos alunos respeitar os sentimentos dos colegas da classe e de outras pessoas de seu convívio.


É importante desenvolver a autoestima emocional e a empatia; que a criança possa perceber que as oscilações emocionais fazem parte da história de cada um e que o respeito torna as relações afetivas muito melhores.





E você? Como está se sentindo agora?


sábado, 3 de setembro de 2011

Mensagem aos Educadores de Sarzedo


Abaixo, alguns links para artigos interessantes que visitei quando pesquisei “que ações pela paz são possíveis”.  Os materiais, talvez, possam ser úteis para clarear as ações dos educadores que irão participar do Concurso Semeando a Paz.



Lembrem-se todos: não é preciso “inventar” as ações. Muitos projetos que já foram desenvolvidos são interessantes e podem ser aplicados ou adaptados à nossa realidade. O importante é sempre informar as referências bibliográficas do projeto, construir sua aplicação como um plano de aula e registrar a aplicação da atividade.



O importante no Programa de Prevenção ao Bullying na Escola é que todos os educadores de Sarzedo participem com sua ação. Só assim daremos um importante passo rumo à solidificação da Cultura da Paz.



































Obs: se tiver dúvidas poste comentários neste blog ou entre em contato com a equipe do NAPSI, mas não deixe de construir  a sua ação. Somente com a participação de todos poderemos semear sementes da PAZ. Abraços!